Personalizados
Personalizados
maragogi propagandas

Ator Michael Lonsdale, de "007" e "O Nome da Rosa", morre aos 89 anos

O ator francês Michael Lonsdale morreu nesta segunda-feira (21) em Paris, aos 89 anos, após uma vida dedicada ao cinema e marcada por papéis [...]

Por Naldo Cerqueira em 21/09/2020 às 16:18:55

O ator francês Michael Lonsdale morreu nesta segunda-feira (21) em Paris, aos 89 anos, após uma vida dedicada ao cinema e marcada por papéis inesquecíveis, como o do vilão Hugo Drax, da saga de James Bond. Lonsdale, que durante sua carreira teve o privilégio de trabalhar com ícones do cinema mundial como Orson Welles, François Truffaut, Luis Buñuel, Steven Spielberg e Alejandro Amenábar, morreu em casa, segundo informou sua família à revista semanal L"Obs.

O ator, que nasceu em Paris no dia 24 de maio de 1931, passou sua infância no Marrocos, e começou a trabalhar com teatro na década de 1950, mas demorou para entrar para o mundo do cinema, onde participou de grandes produções internacionais como "007 contra o Foguete da Morte" (1979) e "O Nome da Rosa" (1986), de Jean-Jacques Annaud. Filho de pai britânico, Lonsdale era bilíngue, o que alavancou sua carreira, já que podia trabalhar indistintamente em produções tanto em inglês como em francês.

A primeira vez que esteve diante das câmeras foi em 1962, quando interpretou um sacerdote em "O Processo", uma adaptação do livro homônimo de Franz Kafka, dirigida por Orson Welles e estrelada por Anthony Perkins e Romy Schneider. "Paris brûle-t-il?" (1966; "Paris está queimando?", em tradução livre), de René Clement, "O Fantasma da Liberdade" (1974), de Buñuel, "Munique" (2005), de Spielberg, e "Des hommes et des dieux" (2010; "Os Homens e os Deuses", em tradução livre), de Xavier Beauvois, ganhador do Grande Prêmio do júri do Festival de Cannes, foram outros dos filmes que marcaram sua carreira.

Leia também

Emmy 2020 registra pior audiência da história

Emmy 2020: Zendaya quebra recorde ao ganhar por 'Euphoria'; veja vencedores

Filho de Roberto Carlos, Dudu Braga descobre novo câncer: 'Meu pai ficou arrasado'

Em 2009, Lonsdale deu vida a Téon, pai da protagonista Hipatía, interpretada por Rachel Weisz, em "Alexandria", de Amenábar. Mas foi apenas em 2012 que o ator encerrou sua longa carreira, com "O Gebo e a sombra", filme dirigido por Manoel de Oliveira, e protagonizado por Jeanne Moreau e Claudia Cardinale.

De acordo com o jornal francês "Le Monde", Lonsdale foi um "cúmplice irredutível das vanguardas e dos autores contemporâneos, cuja participação em sucessos de bilheteria fizeram com que se transformasse em um rosto muito conhecido pelo grande público". No teatro, o ator trabalhou sob a direção de Claude Régy em 18 peças, em que interpretou textos de Peter Handke, Luigi Pirandello, Marguerite Duras, parceria que se estendeu à participação de Lonsdale em três filmes da escritora, roteirista e diretora nascida no Vietnã: "Détruire, dit-elle" (1969, "Destrua, disse ela", em tradução livre), "Jaune le soleil" (1971, "Amarelo o sol", em tradução livre) e "India Song" (1975).

Em várias ocasiões, Lonsdale interpretou reliosos e membros do clero, sem esconder sua devoção ao catolicismo na vida real, o que fez com que, em 2002, recusasse o pepel de um bispo em "Amém", dirigida pelo grego naturalizado francês Constantin Costa-Gavras, devido à sua conhecida postura antipapista.

*Com EFE

Fonte: JP

LOTERIA MARAGOGI

Comentários

Personalizados