Estacio
Personalizados
Personalizados

ALE-AL institui lei que obriga presos a pagarem pelo uso de tornozeleira eletrônica

Por Naldo Cerqueira em 22/06/2022 às 14:53:26
Governador havia vetado projeto do Legislativo alegando inconstitucionalidade, mas presidente da Assembleia tornou lei a medida e deu prazo de 90 dias para sua regulamentação. Assembleia Legislativa de Alagoas publica lei que exige que presos paguem pelo uso de tornozeleira eletrônica

Derek Gustavo/g1

A Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) tornou lei um projeto que exige dos presos com tornozeleira eletrônica pagamento pelo uso e manutenção do equipamento. A lei foi publicada no Diário Oficial do Poder Legislativo na terça-feira (21), mas com prazo de 90 dias para que seja regulamentada. O Governo do Estado diz que a legislação é inconstitucional.

"O preso ou apenado que tiver contra si medida cautelar ou sentença judicial que imponha o uso de monitoramento eletrônico deverá arcar com as despesas referentes a cessão onerosa do equipamento eletrônico de monitoramento bem como as despesas de sua manutenção", diz o artigo 1º do texto da lei.

O Projeto de Lei, de autoria do deputado estadual Cabo Bebeto (PL), tramitou, foi aprovado pelos deputados e encaminhado para apreciação do então governador Renan Filho (MDB), que vetou integralmente o texto. Devolvido ao Legislativo, o presidente da ALE, Marcelo Victor (MDB), promulgou a lei.

A legislação regulamenta ainda que o Estado de Alagoas “providenciará a instalação do equipamento de monitoramento eletrônico em até 24 horas após a comprovação do pagamento pelo preso ou apenado” e que, ao final do cumprimento da medida cautelar, o preso fica obrigado a entregar o equipamento "em perfeitas condições de uso e sem qualquer ônus ou ressarcimento dos valores pagos".

O g1 solicitou à Procuradoria Geral do Estado (PGE) um posicionamento sobre a promulgação da lei, mas não recebeu resposta até a última atualização dessa reportagem.

Quando vetou o PL, o governo do Estado justificou que o pagamento dos valores pelos presos viola a Constituição Federal e que somente a União poderia legislar sobre o tema. O veto cita ainda a Lei Federal nº 7.210, de 1984, que proíbe os Estados de cobrarem valores a detentos.

A legislação não cita valores. Em 2017, a Secretaria de Estado da Ressocialização e Inclusão social (Seris), que administra os presídios, afirmou que cada equipamento custa R$ 340 mensais aos cofres públicos.

A tornozeleira eletrônica é utilizada em caso de exigência judicial como medida cautelar aos presos que conseguem liberdade e também aos que progridem para o regime semiaberto. Este segundo grupo deveria retornar para o presídio ao final do dia, mas isso não acontece na prática em Alagoas porque a unidade prisional que abrigava os presos do semiaberto foi interditada por falta de estrutura em 2011. Desde então, é exigido o uso do equipamento de monitoramento ou outras medidas cautelares.

Assista aos vídeos mais recentes do g1 AL

Confira mais notícias da região em g1 AL
Comunicar erro
LOTERIA MARAGOGI
Estacio

Comentários

Personalizados